sexta-feira, 9 de janeiro de 2009

Livros para crianças

Olá! Como foi a tua semana? Deixo-te aqui mais algumas sugestões de livros para crianças de uma editora que se dedica às crianças, tendo diversos livros de grande qualidade.
A editora que vos apresento é a Bruaá, é uma editora que surgiu recentemente em Portugal e tem sede em Lisboa.

Deixo-vos aqui uma breve síntese que descreve a editora, (estas informações estão no site da editora):
"Nós são laços apertados feitos de corda, cordel ou coisa semelhante, cujas extremidades passam uma pela outra, apertando-se.
Os marinheiros fazem dos nós uma arte praticada nos cabos, quer para unir os chicotes de um só cabo ou ainda para fixar separadamente um cabo a um dado lugar. As partes mais duras da madeira, assim como os pontos de inserção das folhas nos ramos ou no caule são também conhecidos por nós. Nos dedos, os nós ajudam-nos a contar os dias dos meses. Como medida de velocidade, um nó é equivalente a uma milha náutica por hora. Sabiam?

Isto são algumas das coisas que sabemos sobre nós. No entanto, se quiserem saber mais, teremos todo o gosto em falar mais sobre nós."

Aqui ficam algumas sugestões para os mais pequenos e pais, (pois são estes que compram estas coisas às crianças e qe lhes prporcionam belos momentos de prazer, ao contar as histórias às crianças).



Não admira que este livro tenha ganho o prémio da Feira de Bolonha para melhor livro na categoria Ficção. É uma daquelas obras aparentemente simples, cuja profundidade convida tanto crianças como adultos a reflectir sobre a grande questão: Por que é que estamos aqui?
Children’s Literature

Na capa, a criança de Wolf Erlbruch abre os braços, num sinal de interrogação, em cima de uma meia lua, que não é mais do que a Terra quando espreitamos a contracapa. Ela coloca a grande questão que nunca será enunciada: “Porque estou eu aqui na Terra?”
Em cada dupla página o autor dá respostas com humor, insólitas e ao mesmo tempo pertinentes. O número três responde: “Para saberes, um dia, contar até três”; a morte “Estás aqui para amar a vida”; o pato: “Não faço ideia”... depois vem a vez dos pais que alternativamente afirmam o seu amor: “ Porque a tua mãe e eu nos amamos”; “Estás aqui para eu te amar”
No final do livro, folhas pautadas são propostas à criança (e aos pais) de forma que possa, ao crescer, encontrar outras respostas à grande questão. Neste livro, a originalidade da ilustração encontra eco no texto conciso e pleno de emoção. Um grande livro de um mágico extraordinário. Leitura obrigatória que não pode esperar, para que pequenos e grandes possam responder a esta eterna pergunta!
Cendrine Genin - Sitarmag

Por que estou aqui ?

Digo a mim própria várias vezes que se os bebés conseguissem falar, todos eles poriam a mesma questão ao vir a este mundo : « Por que estou aqui ? ». De uma forma mais ou menos consciente, com mais ou menos facilidade, todos nós já colocamos esta questão ao longo da nossa vida. Podemos formulá-la de várias formas. Podemos até ficar um pouco inquietos com a angústia que ela nos suscita ou até mesmo tentar evitá-la. Mas será que a conseguimos evitar ?
Nos livros ilustrados, certos autores inventam histórias de vida. Histórias que nos falam para além da realidade, das palavras e das imagens… São estes livros que queremos partilhar com os mais novos, os mais crescidos e os adultos… Queremos ler em conjunto estas obras literárias que nos tocam na nossa dimensão humana. (…)
Neste livro, a grande questão não é colocada. Somente respostas aparecem nas páginas. Respostas dadas pelo irmão, pelo gato, pelo piloto, a avó, o homem gordo, a irmã, a morte, o marinheiro… e tantos outros, já que a vida nos reserva todo o tipo de encontros.
E como diz Albert Jacquard, tudo está no encontro. «O "jogo" vem dos outros. Nasce, eclode quando o outro diz "tu". É a humanidade que cria o "eu"». (…)
Uma das funções da literatura é, sem dúvida, ajudar-nos a construir o nosso ponto de vista sobre o mundo. Os nosso livros preferidos são aqueles que nos oferecem novas questões, novas visões, novos pensamentos…
«A grande questão» é um grande livro.
Dominique Rateau



Uma extraordinária metáfora da vida dada por um fio que corre, passando de página para página (desde a folha de rosto até à página final preenchida com o fio apanhado em meada), e que arrasta acontecimentos marcantes que constroem um ser na sua plena dimensão humana. Vida feita de alegrias e tristezas, mas com a espera sempre como elemento recorrente. O livro, e em particular a capa, tem o formato de um sobrescrito com janela, de onde sai a imagem de uma criança com olhar expectante; a partir daqui os vários momentos representados articulam-se de forma solidária e mostram ao leitor que há sempre um amanhã e que vale a pena acreditar no futuro. O modo sóbrio como se representam as personagens e a profundidade da expressão do traço do ilustrador, reforçados pela omnipresença do fio vermelho da vida, tornam este livro um objecto de arte de grandíssima qualidade.





Este livro é o mais conhecido do escritor e ilustrador norte-americano Shel Silverstein. O clássico, escrito em 1964, comoveu gerações com a história de uma árvore e um menino. Com poucas palavras, Silverstein fala da relação entre o homem e a natureza, onde uma árvore oferece tudo a um menino, que a deixa de lado ao crescer ao mesmo tempo que se torna num homem egoísta. Mas para agradar ao menino que ama, a generosidade desta árvore não tem fim - ainda que isto signifique a sua própria destruição.

Em primeiro plano, uma lição de consciência ecológica: o homem pequeno, mesquinho, frente à generosidade e à força da natureza. No entanto, a dinâmica que vemos entre o menino e a árvore fala também da passagem do tempo e dos valores que são reavaliados com ela. A árvore ensina, por meio do afecto, uma relação de troca sincera e desinteressada - essa que o homem parece desaprender com as exigências da vida adulta.

Duas fortes qualidades aliam-se neste livro. O facto de abordar questões fundamentais como o tempo, a morte, a vida, a relação amorosa e de amizade, tudo o que nos posiciona face aos outros e a nós próprios, assim como a aposta ao nível estético , na sobriedade narrativa como ilustrativa, com o traço simples e preciso de Silverstein.

Shel Silverstein lança um olhar terno à arte da dádiva e ao conceito de amor incondicional no seu profundo e tocante livro infantil “A árvore generosa”. É a história sobre a relação de um menino e uma árvore. Dar ao menino tudo o que ele quer é o que faz a árvore feliz, algo que se prolonga pela vida do menino. Primeiramente, a árvore é o sítio para o rapaz brincar e comer maçãs, mais tarde é fonte de material para construir uma casa e ainda mais tarde o seu tronco serve para fazer um barco. Chegado à velhice e depois de usar tudo o que árvore tinha para dar, o que sobra é um toco. No entanto, tudo o que ele necessita nesta fase da sua vida é um sítio para se sentar e descansar, algo que um velho toco pode oferecer. As ilustrações de Silverstein são aparentemente simples – desenhos que deixam as páginas com bastante espaço em branco – cada uma demonstra a subtileza da emoção e mudança que é ao mesmo tempo cativante e básica. A perda gradual das partes da árvore é uma mensagem visual bastante forte. Na fase em que da árvore não sobra nada a não ser um toco, a ilustração acompanha na perfeição as palavras “E a árvore ficou feliz... mas não muito”. “A árvore generosa” pode ser lida e relida, pois a sua mensagem irá concerteza mudar à medida que o seu leitor cresce. Um livro que irá marcar crianças durante gerações e gerações.
Beth Amos

Comovedora e agridoce história da desinteressada amizade de uma árvore por um ser humano.
Desde a sua infância, o menino joga às escondidas com a árvore, balança-se nos seus ramos, come as suas maçãs, passando pela adolescência, quando grava no seu tronco um coração, pela maturidade em que corta os seus ramos para fazer uma casa e finalmente a velhice, que fecha o ciclo vital, onde a àrvore, que se sentia feliz em troca de nada, já lhe tinha dado tudo...
Álbum pioneiro (a sua primeira edição em inglês foi publicada em 1964), assombroso pela sua economia de meios, já que a história se entende perfeitamente sem necessidade de ler o texto, só com as simples e expressivas ilustrações de traço negro sobre o branco.
Revista Babar

A história de Shel Silverstein toca tanto crianças como adultos com as suas mensagens de generosidade e partilha.
Los Angeles Times

(Este livro foi traduzido em mais de 30 línguas).
Para terminar ficama aqui os contactos desta editora para poder adquiri um dos seus livros:
Bruaá | Editora
Rua José da Silva Fonseca 47
3080-140 Figueira da Foz
Portugal

t. +351 938649027
f. +351 211454939
e. bruaa@bruaa.pt
site - www.bruaa.pt
blog - http://bruaa-editora.blogspot.com/

No site desta editora e também no blog, poderás comprar um dos livros que te apresentei hoje no blog.

P.S.: Lembro que eu não faço publicidade de editoras. Eu através do blog, dou algumas sugestões de leitura e como poder adquirir esses livrinhos.


Espero que tenhas gostado das sugestões de hoje e que te delicies com estes livros.
Boas leituras!!

Sem comentários: